Lei que impulsiona Internet das Coisas (IoT) abre boas expectativas de negócios no Brasil

Lei que impulsiona Internet das Coisas (IoT) abre boas expectativas de negócios no Brasil

O mercado de Internet das Coisas (IoT) já é realidade em muitos países. Por meio de softwares e sensores inteligentes, o conceito tem como premissa conectar os objetos entre si ou na internet, possibilitando que ganhem “vida própria”, atuando de forma mais autônoma para atender as necessidades das pessoas.

Lei da Internet das Coisas (IoT)

No Brasil, a tecnologia ainda caminha de forma tímida, mas a entrada em vigor da Lei da Internet das Coisas, no dia 1º de janeiro, promete acelerar a oferta e trazer maiores investimentos para o setor. Entre um dos principais benefícios, está a redução dos impostos para os equipamentos com a tecnologia.

Dessa forma, todos os dispositivos deixam de ser onerados com taxas normalmente aplicadas à telefonia móvel e outros serviços de telecomunicações.

O que mudará com a Lei que impulsiona Internet das Coisas?

A medida, com validade de cinco anos, ocorre logo depois de a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mudar a categoria dos acessos IoT para permitir a desoneração.

Também será reduzida a taxa zero as fiscalizações de instalação e de funcionamento dos sistemas de comunicação máquina a máquina (M2M), os isentando do pagamento da Contribuição para o Fomento da Radiodifusão Pública (CFRP) e da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine).

Benefícios da Lei da Internet das Coisas

O governo federal espera que a difusão da Internet das Coisas no Brasil traga, além de grandes impactos para a economia, benefícios para o dia a dia da população e novas e infinitas possibilidades de negócios disponíveis para as organizações, gerando assim mais de 10 milhões de empregos nos próximos anos.

Agricultura, saúde e transporte são alguns dos setores que deverão ser os mais favorecidos pelo uso da tecnologia.

Lei da Internet das Coisas e o PIB

A partir da possibilidade dos produtos de IoT serem comercializados com preços menores, o Ministérios das Comunicações espera promover o crescimento da utilização da inovação no país e facilitar a entrada de empresas no ecossistema da indústria 4.0 e também da tecnologia 5G, futuramente.

Esse movimento proporcionará maior produtividade de vários segmentos de nossa cadeia econômica e, consequentemente, contribuirá para acelerar o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

Smart City

Promover a maior adesão de novas tecnologias como essa, não apenas incentiva que a população esteja mais conectada e tenha acesso a objetos que facilitem processos domésticos, como também aumenta o rendimento de diversos modelos de trabalho, melhora a mobilidade urbana e as condições de segurança pública e privada, além de agilizar processos e muito mais.

A inovação também é o diferencial que permite uma cidade se tornar uma “Smart City”, promovendo a criatividade e a sustentabilidade para planejar e otimizar a rotina de seus habitantes.

Deixe uma resposta