PIX: tudo sobre o novo sistema de pagamentos instantâneos

PIX: tudo sobre o novo sistema de pagamentos instantâneos

No início deste ano, em fevereiro, o Banco Central anunciou o Pix, meio de pagamentos instantâneos que permitirá a realização de transferências e pagamentos em até dez segundos para entrar em operação ainda neste ano. Inclusive, o cadastramento das chaves para realizar as transações começa no dia 5 de outubro e o serviço propriamente dito será ativado no dia 16 de novembro em todo o país.

Mas o que é o PIX e como ele irá afetar a sua vida? É isso o que explicamos agora! Vamos lá?

O que é o PIX?

O PIX é um novo meio de pagamentos lançado pelo Banco Central do Brasil com o intuito de baratear o custo das operações de pagamentos e transferências. Com ele será possível fazer transferências e pagamentos de forma rápida, sem esperar dias para que o pagamento seja processado. Pelo contrário: essas transações serão completadas em até dez segundos.

Qual o impacto disso? Atualmente, as transferências entre contas bancárias de diferentes instituições são feitas através de TEDs e DOCs. Já pagamentos de diversas naturezas como contas são feitos por boletos, transações físicas, por cartões e com dinheiro vivo.

A questão é que esse tipo de operação pode levar dias e, em alguns casos, custam caro (algumas instituições chegam a cobrar mais de R$20 por TED, por exemplo). E o dinheiro vivo pode representar um risco maior tanto para o pagador quanto para o recebedor.

Com o PIX, essas atuais formas de pagamento deixarão de ser as únicas e ele passa a ser uma alternativa para transferir e fazer pagamentos de forma rápida e barata – para usuários pessoa física, ele será totalmente gratuito. Para as instituições financeiras que oferecem o Pix, o custo é de R$ 0,01 a cada 10 transações.

Quais as vantagens do PIX?

A grande vantagem é que o Pix funcionará 24 horas por dia, 7 dias da semana, em todos os dias do ano e, claro, fazendo transações em segundos. Ou melhor, em tempo real.

A vantagem é que esse método irá replicar aquilo que acontece com transferências entre contas de um mesmo banco, que são instantâneas, podendo ser feitas a qualquer momento e são gratuitas.  Estas transações poderão ocorrer:

-Entre pessoas;

-Entre pessoas e estabelecimentos comerciais;

-Entre estabelecimentos;

-Para entes governamentais, no caso de impostos e taxas.

-Para usar o Pix, será necessário que tanto o pagador (quem envia o dinheiro) quanto o recebedor (quem receberá os valores) tenham uma conta em banco, instituição de pagamento ou fintech. Não necessariamente essa conta precisa ser corrente.

Como utilizar o PIX?

O Banco Central irá liberar diferentes formas de utilizar este meio de pagamentos:

-Informando os dados bancários de quem vai receber o pagamento, como se faz uma TED e DOC hoje – nome completo, CPF, número da instituição, agência e conta;

  • Informando uma chave Pix, que o usuário poderá adicionar a uma conta que já possui; essa chave pode ser o número de celular, e-mail, CPF ou CNPJ – será necessário informar somente um destes;
  • Ou também através da leitura de QR Codes, estáticos ou dinâmicos. 

Faça seu cadastro

Para poder utilizar o PIX, o novo sistema brasileiro de pagamentos instantâneos, será necessário fazer o cadastro em uma instituição financeira. O cadastramento das chaves para realizar as transações começa no dia 5 de outubro, mas diversos bancos já estão realizando um pré-cadastro para os interessados.

Deixe uma resposta